sábado, junho 24, 2017

ETERNA



Como...
Pode a vida ser eterna e mansa,
se hoje ela é um rio zangado,
ameaçador?
Como…
Se me atira contra as rochas
e me deixa só, a sangrar?
Como…
Posso sorrir e pensar que é eterna,
se sinto que tudo perdi?....





DE CHENG YANG CCHUN " A BEAUTY"


3 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Nunca se perde tudo... ficam as emoções e, se calhar, também as desilusões... mas fica com certeza a sensatez da escrita...

Ailime disse...

Boa noite Marta,
Muito belo o seu poema!
A vida nem sempre se mostra serena e propícia.
Há que ter ânimo.
Beijinhos,
Ailime

Agostinho disse...

A vida é igual, quase.
Os olhos é que lhe mudam o registo.
Com sol brilha mais,
no escuro mirra-se na depressão.
Como o ar que circula
da alta para as baixa pressão.
E vice-versa.

Curtas e boas, Marta.